9 Estudos Científicos sobre o Óleo de Coco
Comentários desativados em 9 Estudos Científicos sobre o Óleo de Coco
9 Estudos Científicos sobre o Óleo de Coco

Nos últimos tempos a mídia vem divulgando que não existem estudos científicos acerca dos inúmeros benefícios do óleo de coco para a saúde. Entretanto, por meio deste artigo iremos comprovar que isso não é verdade, já que os principais benefícios  do óleo de coco foram cientificamente comprovados. Senão vejamos:

1) O Óleo de Coco contém ácidos graxos com poderosas propriedades medicinais:

Embora o Óleo de Coco realmente seja uma fonte de gorduras saturadas - com quase 90% dos ácidos graxos de sua composição sendo saturados - estudos recentes apontam que tais gorduras são inofensivas. Além disso, as gorduras saturadas presentes no Óleo de Coco são de cadeia média (Triglicerídeos de Cadeia Média - TCM), as quais são metabolizadas de maneira diferente pelo organismo. Diferentemente dos ácidos graxos de cadeia mais longa, os Triglicerídeos de Cadeia Média são rapidamente quebrados e absorvidos pelo corpo, ou seja, eles podem ser usados como uma fonte de energia instantânea ou transformado em cetonas, que são substâncias produzidas quando o fígado quebra grandes quantidades de gordura.

Ao contrário dos ácidos graxos regulares, as cetonas podem atravessar do sangue para o cérebro. Isso fornece uma fonte de energia alternativa para o cérebro, que normalmente usa a glicose como combustível. Desta forma, já que as calorias contidas em MCT's são transformadas mais eficientemente em energia e usadas rapidamente pelo corpo, possuem menos probabilidade de serem armazenadas como gordura.

Estudos: aqui, aqui e aqui.

2) Populações que consomem o Óleo de Coco são saudáveis:

Em algumas partes do mundo o coco é um item importante e muito comum na dieta de muitos povos. Os Tokelauans, que vivem no Pacífico Sul, são um exemplo típico. Mais de 60% das calorias diárias consumidas por esse povo são provenientes do coco, fazendo deles os maiores consumidores de gordura saturada no mundo.

Um estudo de 1981, publicado na The American Society for Clinical Nutrition, mostra que essas pessoas possuem uma saúde muito boa, praticamente não havendo evidências de doenças cardíacas. Outro exemplo de uma população que consome muito coco e possui uma saúde excelente são os Kitavans.

Fonte: aqui, aqui e aqui.

3) O Óleo de Coco pode ajudar a queimar mais gordura:

Os triglicerídeos de cadeia média (TCM) presentes no óleo de coco podem aumentar a quantidade de calorias que você queima, em comparação com outras gorduras. Os dados que mostram essa eficácia podem ser encontrados no site da NCBI (links ao final).

Um estudo publicado na European Journal of Clinical Nutrition, em março de 1996, concluiu que o consumo de 15 a 30 gramas de TCM por dia foi o suficiente para aumentar o gasto de energia durante 24 horas em 5%, totalizando, em média, 120 calorias por dia.

Fonte: aqui e aqui.

4) O Óleo de Coco pode matar microrganismos perigosos:

O ácido láurico é um dos lipídios presentes no no óleo de coco. Este lipídio tem funções muito benéficas para o corpo, auxiliando a saúde e a performance. Além disso, quando o ácido láurico é digerido, ele forma uma substância chamada monolaurina. E segundo um artigo publicado na “Antimicrob Agents Chemother”, tanto o ácido láurico quanto a monolaurina podem matar agentes patogênicos nocivos como bactérias, vírus e fungos.

Fonte: aqui.

5) O Óleo de Coco auxilia no controle do apetite:

Os TCM - Triglicerídeos de Cadeia Média, presentes no Óleo de Coco, ativam o hormônio colecistoquinina, peptídeo YY e o peptídio inibitório intestinal, sendo que todos eles possuem uma coisa em comum: a sensação de saciedade.

Isso quer dizer que ao consumir óleo de coco dentro do recomendado, você acaba ingerindo menos comida. Um estudo de 1996, publicado na “International Journal of Obesity and Related Metabolic Disorders”, revelou que homens que consumiam mais TCM comeram 256 menos calorias por dia, em média.

Já um estudo publicado na “The American Journal of Clinical Nutrition”, realizado com 14 homens saudáveis, descobriu que aqueles que comiam mais TCM no café da manhã comiam menos calorias no almoço.

Fontes: aqui e aqui.

6) O Óleo de Coco pode melhorar os níveis de colesterol no sangue:

O bom funcionamento da tireoide, favorecido pelo consumo do Óleo de Coco, também garante a redução do colesterol LDL (colesterol ruim) e a elevação do colesterol HDL (colesterol bom). Isso ocorre porque essa glândula consegue metabolizar esse componente na formação de hormônios essenciais. Portanto, com a normalização da taxa de colesterol sanguíneo, há a diminuição do risco de doenças cardiovasculares.

Um estudo realizado com 40 mulheres e publicado na Lipids em 2009, mostrou que o óleo de coco ajudou a reduzir o colesterol LDL, enquanto aumentou o colesterol HDL, em comparação com o óleo de soja.

Fonte: aqui.

7) Benefícios do Óleo de Coco para a pele e cabelos:

O óleo de coco tem também várias finalidades que não são relacionadas com a alimentação. Muitas pessoas acabam usando ele para fins cosméticos e para melhorar a saúde e a aparência da pele ou cabelo.

Os benefícios para quem possui pele seca foram  abordados em um artigo na revista Dermatitis, de setembro de 2004. Este artigo mostrou que o óleo de coco pode melhorar o teor de umidade e gordura da pele, em indivíduos que possuem pele seca. O óleo de coco também pode ser muito bom para proteger cabelos danificados, além de ser um excelente protetor solar, bloqueando cerca de 20% dos raios ultravioleta do sol.

Fontes: aqui, aqui e aqui.

8) Os ácidos graxos presentes no Óleo de Coco podem impulsionar a função cerebral em pacientes com Alzheimer, bem como auxiliar na melhora das funções cognitivas em idosos:

Em 2004, um importante estudo foi publicado no jornal científico de Neurobiologia da idade. O estudo em questão demonstrou que o consumo de gordura saturada de cadeia média, como é o caso da gordura encontrada no óleo de coco, resultou em uma melhora praticamente imediata das funções cognitivas de pacientes idosos com problemas de memória.

Os ácidos graxos do coco são convertidos em um composto cetônico chamado de beta-hidroxbutirato. O estudo demonstrou que os níveis desse composto cetônico aumentam cerca de noventa minutos depois após a ingestão de 40 ml de óleo de coco. Os corpos cetônicos são três: beta-hidroxbutirato, aceto-acetato e acetona.

Conforme publicação científica no US National Library of Medicine National Institutes of Health, pesquisadores, como é o caso do médico George F. Cahill, afirmam que o beta-hidroxbutirato não serve apenas como um poderoso combustível, mas principalmente exerce um efeito protetor contra as toxinas que lesam o cérebro, levando a quadros como Parkinson e Alzheimer.

Além disso, em um estudo de 2006, publicado na “neurobiology aging journal”, mostrou que o consumo de triglicérides de cadeia média levou a uma melhoria imediata da função cerebral em pacientes com formas mais brandas de Alzheimer.

Estudos: aqui, aqui, aqui e aqui.

9) O óleo de coco pode ajudar na perda de gordura abdominal:

Durante um estudo que foi realizado com 40 mulheres que apresentavam obesidade abdominal, elas tomaram um suplemento de 30 mL (2 colheres de sopa) de óleo de coco por dia, o que levou a uma redução significativa do IMC e da circunferência da cintura em um período de 12 semanas.

Outro estudo, desta vez realizado em 20 homens obesos, observou uma redução na circunferência da cintura de 2,86 cm (1,1 polegadas) após 4 semanas tomando 30 mL (2 colheres de sopa) de óleo de coco por dia.

Este número pode parecer insignificante, mas é bom complementar que essas pessoas não estavam fazendo exercícios ou mesmo sob qualquer restrição de calorias. Eles perderam quantidades significativas de gordura na barriga simplesmente adicionando óleo de coco em sua dieta. Logicamente, se associarem uma dieta equilibrada à prática regular de exercícios, os resultados serão muito melhores.

Fontes: aqui e aqui.    

TOP